1º lugar de medicina da USP é negra, pobre e da periferia.

Bruna Sena, 17 anos, comemorou a conquista em uma rede social com a seguinte frase: ''A casa-grande surta quando a senzala vira médica''


Aprovada em primeiro lugar no curso de Medicina da USP de Ribeirão Preto, Bruna Sena comentou feito histórico: "A Casa Grande surta quando a senzala vira médica".

Bruna Sena, de 17 anos, fez história. Após conquistar o primeiro lugar de um dos mais disputados vestibulares do Brasil, a jovem, negra, estudante de escola pública e moradora da periferia de Ribeirão Preto, se tornou exemplo de luta e superação contra o racismo que, ainda hoje, faz tantas vítimas no país. "A casa grande surta quando a senzala vira médica", ressaltou em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo.

Primeira pessoa da família a ingressar na universidade, Bruna revela que começou a se preparar para o vestibular de medicina há apenas um ano. O estímulo veio de professores do cursinho popular onde era bolsista. Leitora assídua, a adolescente elege o escritor inglês George Orwell um de seus escritores de cabeceira.

Tapa na cara do racismo 

Em face ao racismo estrutural presente no cotidiano brasileiro, Bruna ressalta a importância das cotas, ao lembrar "que foram anos de sofrimento e escravidão para os negros".


Bruna passou no curso mais concorrido da Fuvest


"Os programas de cota são paliativos, mas precisam existir. Não há como concorrer de igual para igual quando não se tem oportunidades de vida iguais", disse na entrevista à Folha de S. Paulo. Sobre o futuro da carreira, ela explica que ainda não sabe qual área seguirá, mas sobretudo pretende: "atender pessoas de baixa renda, que precisam de ajuda".


Sobre o autor
Adenilton Cerqueira é fundador e diretor editorial da Black Brasil, conhecido entre os amigos como Théo, baiano,  feirense de nascença e soteropolitano de coração, é radialista, e blogueiro nas horas vagas. continue lendo aqui  

 
Black -Brasil © 2006 - Adenilton Cerqueira