Morar longe do Brasil só me fez conhecer ainda mais o Brasil



Por: Bethania Barry

Quando eu era uma preta pobre me diziam que eu tinha que ter visão politica, que quem quer chega la, que não existe racismo no mercado de trabalho.

Quando minha mãe passava anos vivendo de empréstimo atras de empréstimo e acordávamos de madrugada pra fritar kibe (eu com 12 anos) pra conseguir nos manter porque o governo federal passou mais de uma dezena de anos sem dar um aumento aos servidores, ninguém nunca bateu na minha porta pra perguntar se tínhamos um pão pra comer.

Quando eu tinha 16 anos e minha mãe disse que não tinha mais condição de pagar meus estudos e eu fui trabalhar (inicialmente por quase 2 anos sem carteira assinada e sem direitos trabalhistas, pratica muito comum na época) pra ganhar 272 reais e pagar 200 de escola e só dormia 5 horas por noite porque morava longe, ninguém nunca me deu a mão nem responsabilizou o governo pela minha miséria, governo esse que era elitista e nunca me deu oportunidades de melhorar.




Quando tranquei a matricula da faculdade pois não conseguia mais pagar, não existia cotas pra que eu pudesse ter o minimo de chances que os brancos da UFRJ tinham. ninguém me ofereceu ajuda.
Quando, depois de muita luta eu me graduei, pós-graduei, melhorei minha condição social mesmo ganhando sempre menos do que todos que trabalhavam comigo (aquele racismo que não existe, sabe?), vim estudar na Europa pra voltar e melhorar de emprego e conseguir ajudar minha mãe, aprendi inglês sozinha pois não tinha como ir a aula por que precisava me manter e pra isso fazia faxina e cuidava de criança, fui humilhada dezenas de vezes, tive vontade de desistir... mas não desisti! E hoje tenho um bom emprego por aqui... Ai AGORA e somente agora que eu tenho uma faixa de "vitoriosa" pendurada no pescoço as pessoas dizem que eu não sei nada do Brasil, que a crise esta um espanto, acham que eu tenho que ter uma visão elitista (porque agora eu sou elite) e que a melhor opção politica e' voltar para quela que me oprimia quando eu era pobre e não me dava oportunidades. Agora eu sou elite, moro e trabalho em uma multinacional na Europa e devo esquecer meu passado e o único governo que me ajudou a sair da lama e que ajuda tantas famílias infinitamente mais pobres que a minha que comiam calango e barro na seca do sertão porque nunca nenhum governo olhou pra elas.
La no bairro pobre que estas pessoas que me criticam nunca pisaram tem milhões de Bethanias na mesma luta, a diferença e' que hoje elas tem um minimo de dignidade (longe do ideal), tem cotas, acesso a universidade e cursos técnicos, Bolsa Família. Agora, trabalho só de carteira assinada. Muitas delas não precisam acordar de madrugada pra fritar kibe como eu precisei.

Morar longe do Brasil so me fez conhecer ainda mais o Brasil, apesar de algumas pessoas acharem que eu sou necessariamente ignorante porque não estou vivendo "essa crise terrível" em que pessoas tiram ferias somente dentro do país. Não sabem nada do que passei na vida mas dizem "muito fácil falar da Europa. Vem aqui pra ver". Queridos, melhorem o argumento! A crise que eu vivi la atras mal dava pra comer, quem dirá tirar férias.

Não fecharei meus olhos pra quem realmente precisa em prol de uma elite que ta incomodada porque não pode mais viajar pra Miami. Tenho um milhão de criticas ao PT, mas pra exigir melhorias eu não preciso de impeachment porque respeito o processo democrático e respeitaria também se Aécio fosse presidente. E eu espero que eu também seja respeitada por isso.





 
Black -Brasil © 2006 - Adenilton Cerqueira