Imprensa internacional destaca o genocídio do povo negro na Bahia



O Cabula 12: guerra de polícia do Brasil contra a comunidade negra.   _ 




Salvador da Bahia, Brasil - Como Salvador foi dando início Carnaval, a maior festa do Brasil, no início deste mês, um evento sombrio estava ocorrendo em um bairro pobre longe dos carros alegóricos-estridente música berrante e foliões bêbados.
Algumas dezenas de moradores do Cabula, a favela de blocos de concreto, se reuniram para comemorar o assassinato de oito jovens negros e quatro adolescentes negros em 6 de fevereiro de 2015.







Testemunhas disseram que viu pela última vez os 12 residentes Cabula em cerca de 3:00 em 6 de fevereiro do ano passado, sendo conduzido por um policiais militares descer uma colina em direção a um campo de terra vazia cercada por árvores. Tiros foram ouvidos, e logo após a polícia foram vistos colocando corpos em um caminhão e sair do bairro. Todos eles eram jovens, preto e viveu na comunidade.
"Abordagens", como são vulgarmente conhecidos, são rotineiras em Salvador. policiais militares, muitas vezes ao se aproximar de grupos de jovens, negros e realizar Abordagens humilhantes e fisicamente dolorosas, que consistem em a vítima ser colocado em uma posição de tortura e violência.

A reação da mídia foi rápida e assumidamente unilateral. Salvador telejornais glorificado pelas mortes e elogiou os policiais envolvidos como "heróis". O estado da Bahia jornal de maior circulação e estações de televisão mais populares, todos de propriedade de políticos de direita influentes, demonizado os mortos como criminosos.
Horas depois do tiroteio, Rui Costa, o governador do Estado do Partido dos Trabalhadores, elogiou as ações tomadas em Cabula, comparando os policiais envolvidos com estrelas de futebol.

"É como um atacante na frente do gol tentando decidir, em segundos, como ele vai fazer o gol", disse Costa jornalistas e centenas de policiais em um evento de revelar os planos do governo do estado para fornecer segurança para o Carnaval. " Se foi um grande objetivo, todos os fãs das arquibancadas vai bater palmas e a cena será repetida várias vezes na televisão. Se o objetivo for perdida, o marcador será condenado. "


Uma captura de um vídeo de telefone celular lançado para a mídia social dos corpos das vítimas Cabula. A maioria dos membros da família viu essas imagens antes de descobrir sobre as mortes de seus entes queridos.


A força policial brasileiro é um dos mais mortais do mundo. A população do Brasil é 50 por cento menor do que a dos Estados Unidos, mas a polícia brasileira matou mais pessoas em um recente período de cinco anos de polícia norte-americanos mortos nos últimos 30 anos. Segundo a Amnistia Internacional, 80 por cento das pessoas mortas pela polícia no Brasil são jovens, negros e pobres. Salvador da Bahia, capital do estado da Bahia e a terceira maior cidade do Brasil, tem a maior concentração de brasileiros negros no país.

"Os números são equivalentes a um país em guerra", disse Hamilton Borges, líder da libertação negra e fundador do anti-polícia movimento violência REAJA OU Sera Morta, que significa "Reaja ou Morra". "No Brasil, e especialmente na Bahia, é perigoso ser negro. "
mortes causadas por policiais em massa, como o do Cabula, acontecem quase diariamente na Bahia, o estado afro-brasileira predominantemente. Mas o ativismo que se seguiu definir o caso para além do descanso.

"Havia toneladas de testemunhos e relatos de testemunhas oculares, muito devido aos esforços do movimento REAJA OU Sera Morta, que pintou um quadro muito diferente e evidente a partir da propaganda polícia", disse Christen Smith, um antropólogo da Universidade de Texas, que documentou incontáveis ​​assassinatos policiais ao longo dos últimos 15 anos.


Dezenas de milhares de pessoas participaram marco internacional anual da Raja contra o genocídio do povo negro. Este manifestante segura um sinal de que lê em Português: ". O Estado promove o genocídio do povo negro"


Enquanto trabalhava em sua dissertação, que olhou para a resistência cultural negra na Bahia, Smith descobriu um padrão longo de homicídios da polícia e impunidade. Mas o que aconteceu no Cabula assumiu que o comportamento a um novo extremo.

"A polícia em linha reta fora mentiu, inventou mentiras para ir junto com sua campanha de mídia", disse Smith. "Sabemos das autópsias [que] os meninos foram executados de joelhos com as mãos sobre suas cabeças. A polícia disse que eles estavam roubando um banco ... Nós sabemos que era uma mentira, de acordo com relatos de testemunhas oculares. O caso de polícia se desfez as evidências abominável de um massacre e seu encobrimento. "
A polícia militar afirmou que o Cabula 12 foram envolvidos em um elaborado plano para roubar um back local e foram mortos em meio a um tiroteio feroz. Mas as autópsias não relataram pólvora foi rastreada nas mãos das vítimas.
Dias depois do massacre, os protestos eclodiram em favelas em todo Salvador. Os membros da família quebrou seu silêncio e falou com a imprensa. Durante o carnaval, um grupo afro-bloco popular, encenou um die-in honrar Cabula eo movimento Mora Preto Matéria nos Estados Unidos. Inúmeros murais espalhados pela cidade, com as palavras: "Nós nunca vai esquecer os mortos no Cabula." E em agosto passado, REAJA OU Sera Morte organizou uma manifestação emocional no local dos assassinatos. REAJA rotula a taxa na qual a polícia mata afro-brasileiros um genocídio preto.

Mas os apelos por justiça até agora têm ficado sem resposta. No Brasil, apenas 2 por cento de todos os casos criminais envolvendo policiais alcançar julgamento, e apenas 1 por cento final em condenações. Apesar da esmagadora evidência de que o Cabula 12 foram executados, um juiz conhecido por ser simpático para os policiais militares exonerados todos os nove oficiais envolvidos.

Apesar da decisão do tribunal, REAJA continua a lutar por Cabula, assim como ameaças de morte contra os dirigentes e membros REAJA intensificar.

"Este é um governo branco, feito para pessoas brancas para controlar a maioria negra. Para eles, quando sua polícia nos matar, eles consideram que a limpeza da cidade de sua população negra ", disse Borges. "Mas desde que superam em muito deles, vamos continuar a lutar por nossa libertação e justiça. Para nós, é ou reagimos, ou ser morto ".Fonte Aljazeera




 
Black -Brasil © 2006 - Adenilton Cerqueira